A flor da colina (fanfic Sandman)

Havia uma colina em um lugar deserto, nada lá havia além do dia, da noite, da terra e do vento.

Não havia animais e nem mesmo vegetação, mas havia uma exceção, uma flor acompanhada pela solidão.

Não era apenas uma flor qualquer como muitas outras que existiam, essa era especial, além de linda e cheirosa e de mil pétalas possuir essa flor era muito sabia, talvez mais do que muitos homens que na terra já caminhou, mas ainda sim era sozinha e nada além da colina já havia visto.

A verdade era que ela também não se importava e nem se preocupava, era uma flor consciente de sua existência e mesmo assim não poderia sentir falta de algo que jamais havia tido, não se sentia abandonada, se sentia apenas existente e assim estava contente e continuava a existir.

Então em um dia qualquer e que poderia ser qualquer algo diferente surgiu, uma criatura desengonçada, suja e ralada, um filhote de humano e era logico que ela sabia o que ele era apensar de nunca ter visto um ou a terem contado que existiam, às vezes ela pensava que de tudo um pouco sabia. Ficou curiosa com a presença do garoto, ele muito se esforçava para poder a alcançar, subia e caia, escorregava e voltava, suas mãos feridas pelas pedras e em seu rosto suor se misturava com sangue, mas ele não desistiu ate finalmente a alcançar e a flor apenas observou, esperava descobrir oque aquela criatura desejava.

Depois de se sentar e respirar um pouco o garoto se voltou serio para a flor, com um pouco de esforço pegou algo pesado que ele trousse nas costas, o abriu e despeou seu conteúdo lentamente na flor, a água passou agradavelmente pelas suas pétalas e escorregou por todo seu copo ate ser absorvida pela terra e tocar suas raízes, se sentiu revigorada e refrescada, não que estivesse se sentindo mal antes, apenas se sentia melhor agora e sem mais delongas o garoto se pós a voltar para qualquer lugar de onde ele tenha vindo.

A flor jamais esqueceu aquele garoto e nunca soube o porquê dele ter feito aquilo, certamente ela não precisava daquilo e muito menos o garoto iria precisar. Quais seriam os motivos dele? Nenhum aparente, mas mesmo assim ela não conseguiu esquece-lo.

Assim os dias passaram e pararam e depois retornaram a passar e ela jamais parou de pensar no garoto que havia se sacrificado tanto apenas para poder ir ali lhe regar.

Sendo assim a flor não aguentou mais, ela tinha de saber como estava o garoto que nunca antes havia visto e há muito tempo já não o via novamente, então pela primeira vez ela quis usar a sabedoria com a qual nasceu abençoada, apensar de nunca ter saído dali ou ate mesmo ter conversado com alguém ela tinha capacidades que poucos compreenderiam e utilizando isso ela caminhou por trilhas misteriosas e chamou pelo senhor de todos os sonhos para que ele lhe ajudar em sua busca.

O senhor dos sonhos era um ser rígido, muitos diziam cruel, muitos diziam bondoso, a verdade e que ele é tudo isso e nada disso ao mesmo tempo, pois depende de quem o visita descobrir como ele realmente é, e assim a flor o encontrou na forma de uma grande rosa cinza e prateada, lhe contou de seu ocorrido e implorou para que ele a ajudasse a achar o garoto.

O senhor de todos os sonhos disse que poderia lhe falar onde ele estaria, mas cada dia fora da colina uma pétala dela cairia e quando todas estiverem caído e se na colina ela não tiver retornado sua vida encontraria um fim.

A flor pensou e pensou. Sua sabedoria lhe dizia que era estupidez se sacrificar, mas mesmo assim ela preferiu arriscar, teria mil dias para encontrar o garoto e voltar, ele não teria demorado tudo isso para encontrá-la e voltar, então assim problema ela não teria.

O senhor de todos os sonhos lhe revelou o lugar e novamente em sua colina e flor nem quis esperar, retirando suas raízes do chão se pós a caminhar na direção pela qual os sonhos há haviam guiado, descobriu que o caminho era mais rígido do que imaginava, afinal não tinha um corpo ágil e habilidoso e vez ou outra caiu e escorregou e pouco mais de uma dúzia de pétalas pelo caminho ficou, mesmo assim conseguiu a colina deixar e por mais dois dias caminhou ate uma casa encontrar.

Era uma casa simples de madeira e apenas um cômodo parecia ter, do lado de fora viu um balde de madeira com fitas de couro presas, foi com ele que o garoto havia levado a água, finalmente o tinha encontrado. Olhou pela janela, a única que havia e mesmo com a pouca luz pode enxergar uma mulher que seria mãe deitada sobre o corpo de um jovem rapaz que a vida tinha abandonado.

O que aconteceu? A flor quis saber, imediatamente caminhou para as trilhas misteriosas e busca do senhor de todos os sonhos, logo o encontrou e assim ele lhe disse que o jovem sempre foi doente e que muito tempo já não lhe restava e que disso ele sabia, por isso havia decidido regar a flor solitária da colina, pois sabia que iria morrer, mas queria que a flor vivesse mais um dia.

A flor se sentiu sozinha pela primeira vez em todos seus anos de solidão, o primeiro ser que já havia encontrado ela acabara de perder e agora retornaria para sua colina e assim a eternidade passaria? Não, ela havia decidido. Isso não estava certo, ela possuía toda a sabedoria e nada havia feito com ela todo esse tempo enquanto aquele garoto nada tinha e mesmo assim deu mais do que lhe pertencia para mais do que tudo que tinha perder, ela havia decidido e sabia o que iria fazer.

Naquela noite houve uma alegria, nos braços da mão cansada e chorosa um garoto voltou a respirar, não compreendeu que benção havia acontecido, mas aceitaram e ate mesmo comemoraram.

Já na próxima manhã o garoto se levantou, se sentiu saudável como nunca havia sentido antes, saindo de sua casa uma surpresa, dezenas de centenas de pétalas de flor espalhavam-se pelo chão, ela reconheceu aquelas pétalas únicas e seu coração sabia o que havia acontecido, então se decidiu, colheu cada uma das pétalas e em seu balde colocou, novamente com ele nas costas para a colina ele avançou, o caminho era árduo, ele já sabia e lá encontrou uma trilha de pétalas abandonadas, colheu cada uma delas com todo o custo e dificuldade e logo as mil estavam reunidas dentro de seu balde.

Assim sua jornada acabou no topo da colina que agora era vazia, estava triste e desconsolado não sabia o que fazer e de cansaço desmaiou. Teve um sonho confuso, com muitos cheiros e cores e quando acordou se surpreendeu, seu balde estava aberto e as pétalas lá não estavam, mas isso não o preocupou, pois estava cercado por mil flores espalhadas pela colina, seu coração encheu de alegria e para casa pode voltar e todo dia olharia para a colina todos os dias e se lembraria da flor que havia a vida lhe devolvido.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s