Divagações de Paradoxo

Ando eternamente sem me mover do lugar, viajando sem rumo para a mesma direção.

Dou voltas e mais voltas neste percurso singular, o único e o mesmo, porém que jamais se repetiu.

Busco por nada e sempre o encontro, então saio de mãos vazias e repletas de tesouros.

Aquilo que mais me importa não tem valor algum e os sonhos que mais anseio nunca cheguei a desejar.